Janeiro de dois mil e dezessete

Um Outro Amor, a segunda parte da série Minha Luta, do Knausgard, não é tão bom quanto o primeiro, mas continua firme. Devo seguir para os próximos volumes.

Androides Sonham Com Ovelhas Elétricas?, livraço de ficção-científica, meu primeiro K. Dick. O contexto filosófico-religioso, que aparentemente foi deixado de fora do filme (que ainda não vi) é genial.

Outra ficção-cientifica – cada vez leio mais o gênero -, O Homem Invisível, do H. G. Wells. Divertida. O ano promete ser cheio de reedições do autor, agora que sua obra entrou em domínio público.

Dawn of the Planet of the Apes reafirma meu sentimento pela série Planeta dos Macacos, minha favorita do cinema.

Falando em Oscar, que em 2017 parece ter resgatado a tradição de ter bons filmes entre os indicados. Moonlight, A ChegadaManchester by the Sea são cinema puro. Impossível escolher um favorito. La La Land é bonito mas decepciona. Expectativas são uma droga.

Fazia tempo que eu não colocava Flaming Lips para tocar. Oczy Mlody, lançado agora, é psicodelia da melhor qualidade e um dos melhores discos da banda. Miley Cyrus foi uma excelente aquisição.

 

Anúncios